Arquivo Mensal dezembro/2009

Qual Propaganda Dá Certo?

A aids é uma assassina em massa

Imagem de Hitler em campanha contra a AIDS gera polêmica na Alemanha.

Eu vi uma notícia bastante polêmica: a entidade humanitária, a ONG alemã Regenbogen tentou lançar uma campanha de prevenção contra a AIDS utilizando imagens dos ditadores Adolf Hitler, Josef Stalin e Saddam Hussein (Yahoo Notícias). Com o lema “A AIDS é uma assassina em massa“, a campanha procura alertar sobre o perigo da doença.

Realmente é quase surreal que no país que foi berço do nazismo alguém tenha tido a coragem de criar uma campanha como esta. Por aqui, no Brasil, temos a Desencannes que já produziu centenas de propaganda que não chegam nem ao atendimento. Portanto, estamos bem acostumados com o politicamente incorreto na publicidade. A campanha da Regenbogen está longe de ser simplesmente politicamente incorreta. Chega a ser inconsequente e inconcebível.

A ONG Deutsche Aids Hilfe (DAH) exigiu a suspensão da campanha considerando que é uma das “piores campanhas” de prevenção contra a doença já realizadas, porque compara os infectados pela doença com assassinos em massa. Na opinião da DAH, as “repugnantes” imagens, nas quais um dublê de Hitler pratica sexo com uma jovem, ofendem todas as vítimas do nazismo e prejudicam a prevenção contra a AIDS.

Em outras palavras, o que estes publicitários alemães pensaram que estavam fazendo? Será que tinham consciência que esta era uma campanha de mau gosto? Não sou publicitário, mas classifico propagandas pelos seguinte tipos:

  1. Normais – a maior parte do que se passa na TV é isso.
  2. Morais – igual a história infantil: passar uma lição de moral e decência.
  3. Politicamente corretas – tudo certinho para agradar a todos
  4. Criativas – são as premiadas, nos faz sorrir, nos emociona, ninguém esquece e ainda sai comentando. São polêmicas por si só.
  5. Críticas – o próprio nome já diz: ela põem em cheque alguma convicção, pré-conceito ou paradigma. Geram polêmica, reflexão e discussão.
  6. Politicamente errada (humor negro) – Através de uma mistura da Propaganda Criativa e Propaganda Crítica, a politicamente incorreta quer ser mais do que polêmica, quer ser escrachada ou que simplesmente insultar.
  7. Enganosa – pura mentira, caso de polícia, Procon.
  8. Imorais – Só transparece o pré-conceito, a intolerância e a falta de bom gosto de seus criadores.

A boa comunicação não é só transmitir uma boa mensagem que transmite, mas como ela é entendida. Então eu pergunto: Qual destes tipos de propaganda dão certo? E respondo: Por incrível que pareça, todos estes tipos dão certo, o que não significa que você  associará a sua marca a uma propaganda politicamente errada, enganosa ou imoral. A comunicação entendida por uma propaganda politicamente errada, enganosa ou imoral pode ser bem assimilada por uma minoria e as vezes é este o intuito dos autores.

Dica da Semana: Playing For Change

Este é um verdadeiro presente de final de ano que a SoftHost faz questão de presentear a todo que, durante este ano de 2009, acompanharam o nosso blog e o nosso trabalho profissional. O projeto Playing For Change | Peace Through Music (em português: “Tocando” a Mudança | Paz Através da Música) pode não ser novidade para a maioria, mas não poderíamos de deixá-lo de divulgar esta iniciativa, mostra que a música é um fator comum de agregação das pessoas.

Playing For Change é um projeto que consiste em reunir músicos de rua em todo o mundo que cantam a mesma música só que fisicamente distantes. Cabe ao produtor musical Mark Johnson, juntar “juntar as peças”. Mark Johnson, que já foi até premiado com Grammy e em Hollywood, acabou criando uma obra singular e inspiradora, pois mostrou a beleza a diversidade cultural, a beleza das diferenças interpretadas no jeito de cada nação.